zoom

A intensificação dos sentimentos e desejos de Tove Lo em “Blue Lips”, Lady Wood Phase ll


Tove Lo ainda mais intensa, quebrando o tabu e explorando os seus desejos e sentimentos no disco “Blue Lips”.

Tove Lo

Pouco mais de um ano após o lançamento de “Lady Wood”, a cantora sueca Tove Lo finalizou e lançou seu terceiro grande trabalho de estúdio, “Blue Lips“, na última sexta-feira (17). O álbum já chegou à 4ª posição no iTunes, o que atendeu a alta expectativa do projeto da artista.
Há mais de um ano em tour, a pop star passou por vários festivais em várias localidades, vindo ao Brasil pela primeira vez para a 6ª edição do Lollapalooza, além ser convidada especial para abertura da mega “A Head Full Of Dreams Tour”, do Coldplay.
Enquanto tinha algumas semanas de descanso, Lo teve inspiração para compor e gravar, na estrada, novas e mais intensas músicas de sucesso, intituladas também como a continuação de Lady Wood (Lady Wood Phase ll)
Diferentemente de seu antecessor, que abordou o desejo do início de um relacionamento, “Blue Lips” foca na intensidade e espontaneidade do relacionamento em si corrente, descrevendo altos e baixos com um mix suave, intenso e principalmente sexual, recorrente e já explícito no nome do álbum (a referência é o termo blue balls).
Tove contou numa entrevista que suas músicas retratam sentimentos e são o reflexo do contexto de sua vida, com isso, as faixas contam a história de relacionamentos reais e são divididas em duas fases: LIGHT BEAMS e PITCH BLAC.

O álbum dá partida com LIGHT BEAMS, faixa instrumental muito interessante que introduz a primeira parte, contendo elementos do single que vem na sequência, disco tits. Com vibe otimista e confiante, Lo mostra expectativas (também sexuais) e tenta convencer alguém a se envolver mais intensamente com ela. No videoclipe, o seu provável parceiro é substituído por um puppet, com o qual ela se relaciona no decorrer da exibição.

Logo em seguida, acompanhada de uma melodia mais descontraída, shedontknowbutsheknows muda o contexto anterior e ela passa a ignorar o fato de estar no “escuro” do relacionamento como diz em: “Ela não sabe o que você fez quando voltou para casa / Oh ela não sabe o que você está fazendo agora a noite toda…” e adiciona “… ela sabe / Ela prefere sorrir, fingir com você e deixar para lá”.

Nas próximas três faixas, shivering gold, dont ask dont tell e stranger, cria-se um momento mais dark, onde fica perceptível sua vulnerabilidade em: “Você é meu estranho no escuro / Solitária com um coração solitário/ Esperando alguém me levar para casa”.

Tove volta a falar em viver o relacionamento sem preocupações e de maneira intensa, se entregar sem precisar esclarecer os respectivos passados e viver apenas o presente quando diz “Meu passado não pergunte e não conte / Não precisamos compartilhar demais…”.

A primeira fase é finalizada com bitches, e então vem a segunda faixa instrumental PITCH BLACK, que nomeia a fase mais post-rush, com quebra de todas as expectativas criadas! O featuring com Daye Jack ficou bem feito, tendo sintonia com o momento do álbum em romantics e o desejo de intensidade no relacionamento já é mencionado como algo que poderia ter acontecido: “Nós poderíamos ter sido românticos para a vida”. É uma música mais voltada para o trap, resultando numa mistura bem produzida com a voz e os efeitos.

Caminhando para o fim da história, as músicas ficam mais dramáticas e Lo se mostra cada vez mais incompleta e afetada pela situação do relacionamento como em struggle: “A luta é real quando você não me conta como se sente”.

Blue Lips fecha com hey you got drugs e conclui o drama com uma bela melodia acompanhada de piano e seu Eletropop, contando o término e transmitindo, pela música, sua tristeza e como lidou com toda a situação.

Com repertório pop bem característico de Tove Lo, “Blue Lips” consolidou a identidade da sueca mostrando inovação e ousadia com produção admirável e bem dançante. Lo se desafiou vocal e emocionalmente, arriscando cada vez mais as letras sensuais que são “tabulizadas” e criticadas.

Muito se fala sobre a questão, pois não se contesta músicos com trabalhos semelhantes que abordam o mesmo tema de forma mais acentuada, em muitos casos, mas criticam Lo e outras artistas do sexo feminino.

Por fim, sua atitude é admirável, seu talento está ascendendo e merece reconhecimento! Blue Lips ficou incrível, não vai se arrepender em tirar um tempinho para conferir.

Por Caroline Mesquita, do On Backstage


Deixe seu comentário


Envie sua matéria


Anexar imagem de destaque